Apresentação

Espaço para a apresentação e análise de estudos e pesquisas de alunos da UFRJ, resultantes da adoção do Método de Educação Tutorial, com o objetivo de difundir informações e orientações sobre Química, Toxicologia e Tecnologia de Alimentos.

O Blog também é parte das atividades do LabConsS - Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde, criado e operado pelo Grupo PET-SESu/Farmácia & Saúde Pública da UFRJ.Nesse contexto, quando se fala em Química e Tecnologia de Alimentos, se privilegia um olhar "Farmacêutico", um olhar "Sanitário", um olhar socialmente orientado e oriundo do universo do "Consumerismo e Saúde", em vez de apenas um reducionista Olhar Tecnológico.

sábado, 17 de junho de 2017

Bebidas Energéticas: O consumo excessivo poderia levar a óbito?



                                              Figura 1: Monster Energy drink 

Os energéticos são bebidas não alcoólicas que tem como finalidades o fornecimento de energia e o estímulo do organismo. Por esse motivo têm sido cada vez mais utilizadas principalmente por jovens. Muitas pessoas já ouviram falar que o consumo de bebidas energéticas em excesso pode ser prejudicial. Entretanto, esse consumo excessivo poderia chegar ao extremo de levar ao óbito? 



Introdução

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, bebidas energéticas podem levar a efeitos  potencialmente letais, principalmente quando ingeridas em excesso ou em associação a bebidas alcoólicas. Segundo o artigo "Trombose aguda da artéria coronária esquerda relacionada à ingestão de bebida energética , publicado na renomada  American Heart Association, alguns casos de morte súbita, devido a problemas cardíacos,  foram ligados a bebidas energéticas. Dentre as causas citadas, destacam-se vaso espasmos coronários e sérias arritmias como a fibrilação ventricular. Por ser um dos energéticos mais populares no Brasil, a bebida Monster será objeto do presente estudo.

Fundamentos bromatológicos e legislação:
A bebida Monster, assim como a maioria das bebidas energéticas presentes no mercado, apresenta uma combinação de estimulantes como cafeína, Glucoronolactona e Taurina em sua composição, sendo que, o principal ingrediente ativo consiste na cafeína.
A ANVISA preconiza as seguintes doses máximas de cada ingrediente na bebidas energéticas (Composto Líquido Pronto para o Consumo): 

-Inositol: máximo 20 mg/100 ml 
-Glucoronolactona: máximo 250 mg/100 ml  
-Taurina: máximo 400 mg/100 ml 
-Cafeína: máximo 35 mg/100 ml.

Em relação a cafeína, segundo a European Food Safety Authority (EFSA), o consumo seguro diário para adultos, sem nenhuma sensibilidade à essa substância, é de 400 mg por dia. 

Discussão:
Conforme apresentado no rótulo do produto, podemos observar que  a composição da bebida Monster encontra-se dentro dos limites preconizados pela Anvisa. 

                   Figuras 2 e 3: Rótulo da Bebida Monster


Ao verificarmos o conteúdo de cafeína podemos inferir que  para  manter-se dentro dos limites de segurança mencionados pelo European Food Safety Authority, o consumidor poderia ingerir aproximadamente 6 latas da bebida, caso não fizesse ingestão de cafeína por nenhuma outra fonte . Levando-se  em conta que muitos alimentos como chocolates, refrigerantes e outras bebidas também apresentam cafeína em sua composição, a quantidade máxima de ingestão do energético poderia ser ainda menor, dependendo da dieta do consumidor.

Conclusão:
Conforme apontado nos estudos, quando consumidas em excesso as bebidas energéticas podem  ter efeitos letais. Uma preocupação em relação a essas bebidas é que, pelo fato de serem servidas geladas, podem ser consumidas em grandes quantidades e mais rapidamente do que bebidas quentes como café, que são bebericadas. Portanto,  para garantir o consumo seguro da bebida, seria importante que os riscos do consumo  em excesso e os limites de segurança fossem mais divulgados para o público, principalmente para os jovens. 


Referências Bibliográficas:

Benjo, A.  et al. Left Main Coronary Artery Acute Thrombosis Related to Energy Drink Intake. Circulation. 2012;125:1447-1448. Disponível em: http://circ.ahajournals.org/ content/ 125 / 11/1447.

Brasil. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 273, de22 de setembro de 2005. Aprova o “Aprova o Regulamento Técnico para Misturas parao Preparo de Alimentos e Alimentos Prontos para o Consumo (Bebidas Energéticas)”.Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2005. Disponível em:<http://www.anvisa.gov.br/e-legis/>.

European Food Safety Authority (EFSA)- Scientific Opinion on the safety of caffeine. 2015. Disponível em:http://www.efsa.europa.eu/sites/default/files/consultation/150115.pdf Acesso em: 16/06/2017.

Nabil Ghorayeb- Verdadeira bomba científica: mais problemas com energéticos. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/gecesp/coluna/56.asp. Acesso em: 16/06/2017.

New York Times. Bebidas energéticas estão associadas a comportamento de risco entre jovens. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL591019-5603, 00BEBIDAS+ENERGETI CAS+ESTAO+ASSOCIADAS+A+COMPORTAMENTO+DE+RISCO+ENTRE+JOVENS.html. Acesso em: 16/06/2017.


World Health Organization - Energy drinks cause concern for health of young people. Disponível em: http://www.euro.who.int/en/health-topics/disease prevention/ nutrition/ news/ news/ 2014 / 10/energy-drinks-cause-concern-for-health-of-young-people. Acesso em : 17/06/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário